Há algum tempo, um tema aparece bastante entre as notícias sobre nutrição: as superfoods. Elas aparecem com a promessa de serem alimentos absolutamente completos, praticamente milagres da natureza.

É importante saber exatamente do que se tratam as superfoods, principalmente para não cair na ilusão de investir demais nelas. Acredite, existem pessoas que abandonam vários itens importantes da alimentação para apostar tudo nas superfoods.

Nutrição em poucas quantidades

A quina é um dos principais alimentos deste seleto grupo. Por suas propriedades nutricionais elevadas quando comparada a outros alimentos, ela figura entre as superfoods mais divulgadas. Contém ômega 3 e 6, vitaminas do complexo B, cálcio, zinco e bastante fibra.

Além da quinoa, a linhaça aparece neste grupo. Rica em fibras, esta semente também ajuda na produção de ácidos graxos de cadeia curta, como o ômega-3, e também possui ação anti-inflamatória.

Se compararmos estes alimentos com outros mais comuns na dieta, veremos que, de fato, eles se sobressaem. Eles são realmente ótimas complementações para a saúde.

No entanto, o que pode enganar muito é o termo “superfoods”. Na cabeça de muitas pessoas, quer dizer que elas bastam na alimentação, algo reforçado pela publicidade. E essa é a parte perigosa.

O que é importante é colocar esses alimentos na dieta como complementadores, não como itens únicos. Aliás, uma vida saudável se constrói com uma dieta completa.

Cada vez mais falados

Com o tempo cada vez mais apertado para as refeições mais elaboradas, conseguir consumir uma menor quantidade de alimentos mas ainda obter muitos nutrientes se tornou uma preocupação grande entre os adultos atuais. Isso faz com que muitas pessoas corram atrás de “formas milagrosas” de se alimentar.

Portanto, ao ouvir falar que tal alimento pode ser considerado um super alimento, antes de acreditar é essencial correr atrás de informações nutricionais e o que aquela comida pode fazer pela sua saúde.

Além dos exemplos que já citamos, o mirtilo e o cacau são outros alimentos do grupo. Também conhecido como blueberry, o mirtilo possui flavonoides que ajudam contra doenças cardiovasculares, melhora a circulação periférica e a cognição, além de possuir ação antioxidante. O cacau tem propriedades semelhantes às do mirtilo, além de possuir triptofano, que estimula os níveis de serotonina e boas quantidades de cálcio, zinco, cromo, manganês, magnésio.

Alguns outros alimentos que também se enquadram são açaí, gengibre, romã, azeite de oliva, entre outros com grandes propriedades nutricionais. Todos eles possuem propriedades que ajudam a combater uma série de complicações.

Mesmo que você deva sim comer quinoa, linhaça e outros, lembre-se que eles não são os únicos que devem estar na sua dieta. Uma vida saudável é feita com a maior combinação possível de bons hábitos!

Para mais informações e dicas de como cuidar da sua saúde, continua acompanhando o blog da Medworld.